Quem sou eu

Minha foto
Rio de Janeiro, Brazil
Alex Vieira http://www.myspace.com/alexvieiramusic

terça-feira, 30 de novembro de 2010

Missão cumprida!


Graças a Deus e ao nosso amigo Toninho deu tudo certo, agora só falta a recuperação.

Só temos a agradecer.

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

Winger - Hard Rock Café (RJ) 16/10/10


Depois de muito tempo voltei ao Hard Rock Café (RJ), pois Sábado, dia 16 de Outubro, a banda norte-americana Winger apresentou-se no Brasil.

A banda tentou começar às 19 horas, mas ainda nos primeiros acordes os amplificadores de baixo e de uma das guitarras simplesmente desligaram após um estrondo. O líder da banda Kip Winger e um dos produtores explicaram o que aconteceu, “problema técnico”.

O show foi todo no clima “entre amigos”, interação total entre os músicos e a platéia. Afinal é sempre bom assistir um show bem de perto e podendo interagir com os músicos a todo o momento, diversas vezes os músicos se aproximavam do público a ponto de encostarem nas guitarras.

O guitarrista Reb Beach (também guitarrista do Whitesnake) como sempre com sua boa técnica e performance de “guitar hero”.

A grande razão de eu ter ido ao show foi para assistir o ótimo baterista Rod Morgenstein (também baterista da banda Dixie Dregs ao lado do Steve Morse), acompanho sua carreira há muito tempo, desde a primeira vez que vi seu vídeo aula no início dos anos 90. Como de costume, fora sua atuação nas músicas serem impressionantes, seu solo acompanhando uma base pré-gravada foi de alto nível, com certeza Rod é um baterista “Line Up”.

O outro guitarrista John Roth mostrou que sua praia é mais voltada para o Blues, como todos puderam averiguar em seu solo principal no show.

O líder Kip Winger mostrou boa voz, competente baixista e pianista (principalmente cantando e tocando em “Miles Away”, o hit clássico da banda).

Nada como um bom show internacional no final de tarde de um sábado no Rio de Janeiro.

Set List:

Pull Me Under

Blind Revolution Mad

Easy Come, Easy Go

Stone Cold Killer

Rainbow in the Rose

Deal with the Devil

Down Incognito

Your Great Escape

You Are The Saint, I am The Sinner

Headed for a Heartbreak

Can´t Get Enough

Seventeen

Bis:

Miles Away

Madalaine

Helter Skelter (clássico dos Beatles)

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Rush na Praça da Apoteose - 10/10/2010


Assistir ao show do Rush deveria ser “matéria obrigatória” para a formação de um bom baterista. Eu cumpri esta matéria um pouco tarde, 30 anos depois que comecei a tocar bateria.

Assistir ao Neal Peart é uma experiência única, toda sua performance, seus grooves ímpares, modificações constantes dos compassos e dinâmicas soam como se fosse à coisa mais fácil do mundo de se executar na bateria, mediante a facilidade com que este baterista fenomenal pilota sua nave espacial (o set de bateria o rodeia por completo e ainda gira sobre o próprio eixo em seu solo).

O show começa com um vídeo mostrando a veia cômica dos membros da banda, mas com um toque de humor, digamos, refinado, quase britânico e muito bem produzido com efeitos especiais.

O show do Rush nesta turnê denominada de “Time Machine” (foram 3 hrs de show - com destaque para a execução na íntegra, e na ordem das faixas, do disco "Moving Pictures" – 1980) é uma bênção para todos os fãs, desde os aficionados pela banda, como também por aqueles que curtem as mais famosas músicas da banda, pois tocaram seus hits (primeira parte do show) e ainda por cima músicas que nunca executaram ao vivo como parte das músicas do disco “Moving Pictures” (segunda parte do show). Tudo isso intercalado por um solo de bateria do mestre Peart com direito a bateria acústica, bateria eletrônica, vídeos sincronizados no telão com a pré-gravação que ele estava tocando em cima.

A banda é excepcional no palco:

Geddy Lee: Toca baixo, canta, toca teclado e algumas vezes faz estas três coisas ao mesmo tempo. Fora ser o RP da banda no palco;

Alex Lifeson: Responsável pelas guitarras, violões, violão de 12 cordas e um quase bandolim, fora os backs;

Neil Peart: É o mestre da bateria de todos no seguimento progressivo. Ainda por cima, é o letrista da maioria das músicas do Rush.

O show foi encerrado com mais um vídeo engraçado de dois fãs do Rush, que conseguem invadir o camarim da banda com credenciais falsas e conhecem seus fãs com diálogos engraçadíssimos.

A Praça da Apoteose ficou pequena para a grandiosidade do Rush e suas músicas, retocadas por uma iluminação moderna/móvel de acordo com cada música executada, acompanhadas por projeções nos telões de vídeos específicos para cada música intercalados com imagens dos integrantes ao vivo.

Set List:

Parte 1
1. The Spirit of Radio
2. Time Stand Still
3. Presto
4. Stick It Out
5. Workin' Them Angels
6. Leave That Thing Alone
7. Faithless
8. BU2B
9. Freewill
10. Marathon
11. Subdivisions

Parte 2
12. Tom Sawyer
13. Red Barchetta
14. YYZ
15. Limelight
16. The Camera Eye
17. Witch Hunt
18. Vital Signs
19. Caravan
20. Love 4 Sale (Solo Neil Peart)
21. Closer to the Heart
22. 2112 Overture/Temples of Syrinx
23. Far Cry


Bis
24. La Villa Strangiato
25. Working Man